Museu do Amanhã ganha prêmio ao aliar inovação e sustentabilidade!

O projeto é o 1º museu brasileiro a vencer o Prêmio MIPIM, na categoria Edifício Verde Mais Inovador, ao alinhar arquitetura, tecnologia e sustentabilidade.

O Museu do Amanhã, localizado no Centro do Rio de Janeiro, na Baía de Guanabara, tem motivos de sobra para vencer a categoria do Prêmio MIPIM. A tecnologia aliada à sustentabilidade, tornou o projeto único e merecedor de vitórias. “Estamos muito felizes por mais este reconhecimento que recebemos. A premiação coroa um esforço constante do Museu do Amanhã em aliar inovação e sustentabilidade. Além de incentivar a discussão sobre assuntos como utilização da energia solar e a recuperação da Baía de Guanabara no nosso dia a dia, a intenção desde o início era incorporar esses temas ao próprio edifício. E o resultado anunciado mostra que estamos no caminho certo“, comemora Ricardo Piquet, diretor-presidente do Museu do Amanhã.

Assinado pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava, o espaço é gerido pelo Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG) e foi uma iniciativa da Prefeitura do Rio de Janeiro em conjunto com a Fundação Roberto Marinho. São cerca de 30 mil m², com jardins, espelhos d’água, ciclovia e área de lazer. O prédio tem 15 mil m² com sua forma longilínea, inspirada nas bromélias do Jardim Botânico, foi projetada de maneira a se integrar à paisagem ao redor e, especialmente, deixar visível o Mosteiro de São Bento, um dos mais importantes conjuntos barrocos do país.

 

 

O projeto é voltado para o melhor aproveitamento de recursos naturais da região, como algumas medidas adotadas desde o início da construção do museu, com a redução e correta destinação de resíduos para reciclagem – sobras das estacas das fundações, por exemplo, foram utilizadas na construção dos barracões usados na obra. Foram poupadas toneladas de aço com essa ação. A seleção de materiais também seguiu critérios ambientais, dando preferência a materiais com componentes reciclados, baixa toxidade, alta durabilidade e produzidos próximos ao local da obra, além da utilização de madeira certificada FSC.

 

 

Com mais de dez reconhecimentos internacionais, o Museu do Amanhã vem conquistando notoriedade global. Em 2016, o “Oscar dos Museus”, prêmio britânico Leading Culture Destinations Awards, elegeu a instituição carioca como o “Melhor Novo Museu do Ano”. O Amanhã também subiu ao pódio com uma medalha de ouro e duas de bronze no International Design & Communication Awards (IDCA), no Canadá.

 

_______________________________

Créditos imagens: Reprodução

Créditos textos: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *